Sobre criar seu caminho e aproveitar o processo

jefferson rodrigues - aproveit o caminho

Quando eu comecei a faculdade (de moda), parte da entrega dos trabalhos sempre era um relato desenhado, fotografado, ou escrito do PROCESSO CRIATIVO deles.

Isso sempre foi complicado para mim, que tenho sempre em mente os objetivos. Sempre pulei partes importantes da criação querendo chegar logo aos resultados.

Ao longo do tempo, vi como isso era automatizado em mim. Eu sempre estava focada em chegar à algum lugar ou à alguma coisa. Fosse simples como o fim de um desenho, fosse mais complicado, como chegar a determinado patamar da vida. Eu vinha correndo pela vida havia alguns anos.

Isso fez com que, em alguns momentos, eu me encontrasse num ponto onde eu só conseguia me perguntar “Como eu vim parar aqui??”

Foi tentando aperfeiçoar meu traço que eu aprendi essa lição: É preciso AMAR O PROCESSO.

jocelyn kinghorn - flikr

O processo é muito mais importante que a arte final. E estou falando em qualquer aspecto da vida.

Não somos máquinas de fabricação

Temos muito impregnado na nossa mente o conceito de produto. Isso porque na revolução industrial nasceu a ideia de produção em massa e isso foi expandido para diversas áreas. A escola, por exemplo, não é a “formação” (ou produção) de indivíduos dentro de uma sociedade?

Reproduzimos esse conceito infinitas vezes durante a vida. O namoro é a produção de um casamento. A faculdade é a produção de um diploma. O emprego a produção de uma “carreira”. . Mas não somos uma esteira de fabricação de êxitos.

Em uma sociedade que cultua o sucesso, o êxito virou nosso produto final.  A finalidade de todas as nossas atividades diárias é o sucesso em algo.

Mas eu acredito que nossa natureza não é “produtiva”. Acredito que a natureza humana é CRIATIVA. Somos seres criadores, e por isso quando nos negamos essa habilidade inata de criar e passamos a REproduzir realidades (e expectativas) nascidas de um conceito capitalista como o de “linha de produção”, cresce em nós uma enorme ansiedade.

Ansiamos por criar, por extravasar energia criativa. Não por produzir resultados.

Somos uma pesquisa viva

Eu estudo com A busca, a arte de amar o processo. O processo de criação de algo é muito mais importante que seu produto final.

Quando comecei a desconfiar disso, usei uma metáfora que faz sentido pra mim até hoje: A natureza do universo é criadora e nós, como seres humanos, somos criativos. Nossa busca é como uma árvore frutífera. Esse nosso processo criativo interno produz todas as coisas das nossas vidas. SOMOS UMA PESQUISA VIVA, AMBULANTE. Não importa se o fruto dessa pesquisa nesse momento é o seu trabalho, é a arte que você faz, ou se depois vai ser a forma como você ama, como você se relaciona com o mundo, como você cria seus filhos, o que diz… Todos os dias você está dando os frutos dessa pesquisa viva que é você. Por isso é importante regar a nossa alma, a nossa mente. A qualidade do que produzimos, do que deixaremos no mundo, depende do alimento/combustível que viemos usando em nossa busca.

Asparukh Akanayev - flikr

Novamente, o que importa é o caminho e não a chegada. Viver o processo de construção diário da sua vida, ao invés de sempre buscar um ponto de chegada, é a única forma de garantir uma vida cheia de presença e significado. Aproveitar cada pedacinho do caminho é a única forma de acompanhar os rumos que a sua vida toma. O melhor que se tem a fazer é escolher bem a matéria com a qual você constrói a sua vida.

 

 

Que a sua busca te de asas.